Espinossauro aegyptiacus
Estudo revela que o Espinossauro foi o primeiro dinossauro que podia nadar
10/05/2020

Após anos de pesquisa, cientistas finalmente conseguiram provas concretas da existência de um dinossauro que podia viver em ambientes aquáticos.

Durante uma escavação em Kem Kem, no Marrocos, um grupo de pesquisadores liderados por Nizar Ibrahim, encontraram uma cauda quase completa de um Espinossauro aegyptiacus, um feroz predador que podia chegar a até 15m de comprimento (maior que um Tyrannosaurus rex).

Os primeiros fósseis do animal foram encontrado em 1912, no Egito, mas essa é a primeira vez que cientistas encontram a cauda completa do espécime – a adaptação aquática mais antiga já encontrada em um dinossauro.

Espinossauro

De acordo com os pesquisadores, a calda deste antigo réptil é semelhante a um remo. Em seu final praticamente não existiam ossos, o que permitia criar ondulações e se impulsionar por meio da água.

Este era basicamente um dinossauro tentando construir um rabo de peixe, diz o explorador emergente da National Geographic, Nizar Ibrahim, principal responsável pela pesquisa.

Trabalhar neste animal tem sido como estudar um alienígena vindo do espaço: é diferente de qualquer outro dinossauro visto até então. O espécime é o dinossauro mais enigmático que já existiu, é o único que apresenta essas adaptações.

Espinossauro_dinossauroRepresentação artística e atualizada da cauda do Espinossauro

Nas últimas décadas, numerosos descobrimentos demonstraram que alguns dinossauros teriam aprendido a voar, dando origem às aves, explicou Cristiano Dal Sasso, do Museu de História de Milão. O Spinosaurus representa um processo evolutivo igualmente estranho: revela que os dinossauros predadores teriam aprendido a viver também nos ambientes aquáticos, colonizando os sistemas fluviais do norte da África no período Cretáceo, concluiu.

Postagens Relacionadas