Nhandumirim Waldsangae
Nova espécie de dinossauro carnívoro é descoberta no Brasil
17/02/2019

Um grupo de Pesquisadores da USP acabam de anunciar a descoberta de uma nova espécie de dinossauro que viveu no Brasil durante o período Triássico, o Nhandumirim Waldsangae.

O réptil foi apresentado na última quinta-feira (14) em um estudo publicado no Journal of Vertebrate Paleontology, uma das maiores revistas científicas sobre Paleontologia do mundo.

Nhandumirim waldsangae

Batizado de Nhandumirim Waldsangae, o novo espécime viveu a cerca de 233 milhões de anos atrás onde hoje é a região sul do Brasil. Ele era bípede, ágil e carnívoro e media em torno de 1,5 metros de comprimento. Foi apresentado como um parente do Tyrannosaurus rex e do Velociraptor mongoliensis, dois predadores famosos da linhagem dos terópodes.

Seus ossos foram descobertos pela primeira vez em 2012 na Formação Santa Maria, no Rio Grande do Sul e, apesar do esqueleto estar incompleto, as características anatômicas observadas em 12 vértebras, um chevron e nos ossos da perna direita e as análises filogenéticas permitiram aos pesquisadores classificá-lo como uma nova espécie de terópode (bípede), sendo a mais antiga do Brasil.

O esqueleto é fragmentário e obviamente precisa de um esqueleto mais completo para que essa hipótese ganhe mais robustez, mas os primeiros resultados mostram um membro da linhagem dos dinossauros terópodes”, comenta o biólogo Júlio Marsola, um dos autores do artigo.

Os terópodes são uma linhagem de dinossauros pertencentes à ordem saurischia, cujos membros distinguem-se por sua estrutura pélvica, com o púbis apontado para baixo. O Nhandumirim Waldsangae foi enquadrado nessa ordem pois seu esqueleto fragmentado possuí traços recorrentes desse grupo, porém, ainda está em processo de analise e classificação.

O fóssil do dinossauro foi encontrado por uma equipe da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Pesquisadores de Ribeirão Preto, Minas Gerais e Pernambuco também contribuíram com a descoberta, além de especialistas de Birmingham, Reino Unido.

Postagens Relacionadas